segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Um antigo novo amor?

Ontem uma amiga minha me disse: "pra esquecer um amor, só com outro". Normal pelo contexto de nossa conversa, mas o engraçado é que mais ou menos uma hora depois meu celular tocou e mostrou um número que eu não sabia de quem era. Pensei em não atender. Foi isso mesmo que fiz. Já estava deitado e não quis correr o risco de atender alguém indesejável.

Cinco minutos depois o telefone toca novamente. Era o mesmo número. Movido pela curiosidade, preocupação e ansiedade atendi. "Júnio?", foi a primeira coisa que ouvi. Tentei identificar a voz mas não consegui. Confirmei que sim e então...

— Sabe quem está falando?

— Não!

— Não faz a mínima idéia?

— Não!

— Imaginei que não saberia. Você se lembra de alguma Cleide?

Corri pelas minhas lembranças e só consegui me lembrar de uma Cleide, mas pensei que poderia não ser ela, devido ao grande tempo que havia se passado desde a última vez que nos encontramos.

— Me lembro de uma Cleide, mas...

— Mas acha que não pode ser por causa do tempo?

Fiquei pasmo! Era justamente isso que eu estava pensando...

— Isso mesmo. Você é a Cleide, minha prima.

— Sou eu sim. Desculpe estar ligando a essa hora. Fiz uma maratona para conseguir esse seu número e só consegui agora e estava muito ansiosa para ligar.

Cleide é a filha de uma prima minha, o que faz dela, se eu não estiver enganado, prima segunda. Foi a minha primeira paixão. Éramos muito crianças. Eu devia ter meus quinze anos e ela apenas uns nove quando falamos que seríamos eternamente namorados. Coisas de criança...

Na festa dos quinze anos de Cleide nos beijamos pela primeira vez. A mãe dela, hoje já falecida, sempre apoiou nosso namoro. Mas a grande verdade é que nós dois nunca namoramos. Sempre que nos encontrávamos era lindo. Nos abraçávamos e nos beijávamos e isso bastava para gostar muito de estar juntos.

— Fiquei sabendo que você está sozinho e como também estou sozinha... Você tem MSN? Gostaria de falar mais com você, mas é muita coisa para falar por celular. Além disso gostaria que você me visse.

Ficamos até agora nos falando pelo MSN. Ela está linda nos seus trinta e um anos. Parece que o tempo não passou por ela. Ainda guarda aquele rostinho lindo de sempre. Aquele sorriso feliz.

Realmente me surpreendeu muito ter reencontrado Cleide. Expliquei para ela o momento complicado pelo qual passo com meus sentimentos e ela me disse a mesma coisa que minha amiga, citada no começo desse texto: "para esquecer um amor, só outro".

Ainda não sei o que irei fazer, mas realmente fiquei muito feliz por ela ter me procurado e por ter passado a noite em claro conversando comigo.

Um comentário:

nah disse...

voce sempre tao apaixonado...